domingo, 20 de março de 2011

IGREJA PERSEGUIDA NA LÍBIA

A Líbia é o 17° maior país do mundo e sua extensão equivale à soma dos Estados do Amazonas e Amapá. A maior parte de seu território é deserta, com oásis ao noroeste e planícies costeiras ao nordeste.


População

Apesar da grande extensão, a Líbia é pouco povoada. Entre os seus 6,3 milhões de habitantes, cerca de 1,5 milhão é estrangeiro, vindo de países árabes e africanos.

Um terço da população líbia tem menos de 15 anos e a maioria dos líbios reside em áreas urbanas. Etnicamente, 97% da população constitui-se de árabes e berberes. Os outros 3% são bem diversos, formados por gregos, malteses, italianos, egípcios, paquistaneses, turcos, indianos e tunisianos.

A qabilah, ou tribo, é a base da estrutura social da Líbia, cujas famílias têm em média cinco membros.

A educação é pública e gratuita, e 85% da população é alfabetizada. A assistência médica também é gratuita e bastante acessível, mas ainda é deficiente nas áreas rurais.

História

Na Antiguidade, a área foi habitada por fenícios, gregos e romanos. A queda do Império Romano deu início ao longo controle do islamismo na região, que caiu sob domínio do Império Turco-Otomano em 1517, assim permanecendo até a invasão italiana.

Em 1911, a Líbia é invadida e dominada pela Itália, apesar de forte resistência. Finalmente, o país obtém sua independência em 1951 e logo se torna um Estado rico com a descoberta de suas abundantes reservas de petróleo.

Em 1969, o coronel Muammar Qadhafi assume o controle do país por meio de um golpe militar. O sistema implementado passa a ser uma combinação de socialismo e práticas islâmicas derivadas das tradições tribais.

Governo

Dentro de sua atuação política, Qadhafi tem financiado a propagação do islamismo como forma de obter poder na região. Devido ao apoio do governo líbio aos terroristas, as relações com o ocidente têm se deteriorado. Como consequência, o país já sofreu bombardeios e enfrenta sanções aéreas e comerciais. Em dezembro de 2003, a Líbia anunciou que aceitava revelar e destruir seus programas para desenvolver armas de destruição em massa e renunciar o apoio ao terrorismo.

O islamismo chegou à Líbia proveniente da Arábia e do Egito no fim do século VII. Atualmente, 97% dos líbios são muçulmanos, quase todos de tradição sunita. Alguns grupos da população muçulmana lutam pela instituição de um Estado islâmico.

A economia líbia depende principalmente do setor petrolífero, que corresponde a aproximadamente 95 % da exportação. O país tem uma das maiores rendas per capita na África, mas pouco disso é repassado às camadas mais baixas da sociedade.


A Igreja

O cristianismo possui raízes antigas na Líbia. Mas a fraca evangelização inicial, em conjunto com o enfraquecimento causado pelo cisma donatista, deixou o país à mercê do avanço islâmico no século VII.

O cristianismo foi praticamente eliminado e, atualmente, há apenas alguns milhares de cristãos líbios, a maioria constituída de trabalhadores estrangeiros.

Os líbios são um dos grupos mais não-alcançados com o evangelho. A maior parte dos líbios da etnia árabe não sabe em que os cristãos realmente creem. Por causa de suas fortes raízes muçulmanas, não considerariam a mensagem do evangelho como algo dirigido a eles.

Nenhuma forma de evangelismo ou trabalho missionário é permitida. Apenas os estrangeiros podem se reunir, contudo, eles são monitorados. Assim, os líbios não participam desses cultos por medo de serem vigiados, delatados, presos e até mesmo assassinados.


A perseguição

Ainda que a Líbia seja um Estado laico, seus líderes prestam grande respeito ao islamismo, conferindo-lhe papel ideológico na sociedade. O governo exige respeito às normas e tradições muçulmanas e a submissão de todas as leis à sharia (lei islâmica).

O governo proíbe a conversão de muçulmanos e, por isso, proíbe atividade missionária. Ele também exige que todos os cidadãos sejam muçulmanos sunitas "por definição".

Há organizações secretas e redes de espiões que monitoram possíveis rebeldes e também os estrangeiros. Essa situação faz com que seja praticamente impossível evangelizar na Líbia.

As pessoas raramente são perturbadas por causa de suas práticas religiosas, a menos que tais práticas fossem percebidas como tendo dimensão ou motivação política. O governo controla e restringe toda atividade política. Ele também monitora a literatura religiosa, inclusive a literatura islâmica, publicada ou importada ao país. A importação das Sagradas Escrituras em árabe ainda é estritamente controlada.

É proibido evangelizar muçulmanos. Os muçulmanos que se convertem são sujeitos à pressão e ostracismo social. Muitos deles consideram abandonar a pátria.

Em fevereiro de 2006, uma igreja e um convento católicos da cidade de Benghazi foram roubados e incendiados. O bispo e as freiras ficaram em Trípoli durante algumas semanas, até que os prédios fossem restaurados.


Motivos de oração

1. Os convertidos se sentem isolados. Ore para que haja mais abertura e possibilidade de os líbios cristãos se reúnam para terem comunhão e louvarem Deus juntos.

2. Missionários não são permitidos. Existem áreas em que há espaço e abertura para profissionais cristãos e missionários que tenham uma profissão. Ore para que cristãos de todo o mundo tornem-se profissionais destas áreas e busquem servir aos líbios no amor de Jesus Cristo.

3. A Igreja resiste a um governo que financia a propagação do islamismo. O governo líbio dá à religião islâmica um papel de destaque e contribui com missões muçulmanas em todo o mundo. Ore para que os líderes da Líbia conheçam a Cristo.

4. É arriscado para um líbio confessar sua fé em Jesus. Peça a proteção e a sabedoria de Deus para todas as conversas e relacionamentos dos convertidos.


Fonte: Missão Portas Abertas

quinta-feira, 17 de março de 2011

Projeto Fábrica de Esperança


As Igrejas Batistas do Brasil, ligadas a CBB (Convenção Batista Brasileira), dedicam o mês de março para promover a campanha de missões mundias, organizada pela Junta de Missões Mundiais. Com o propósito de que os leitores desse blog conheçam melhor e cooperem para que o evangelho do Reino de Deus alcance todos os povos da terra, irei postar alguns textos divulgando os projetos da JMM. Leia, conheça e se envolva.

A situação socioeconômica do Senegal, como de grande parte da África, é bastante limitada. Segundo dados do Unicef, cerca de 22% dos 12 milhões de habitantes vivem com menos de 2 reais por dia e o número de pessoas socialmente vulneráveis predomina. Na capital Dacar as ruas lotadas de mercadores tornam a cidade um local de luta pela sobrevivência. Estima-se que 50% da população tenham menos de 18 anos de idade. A religião de 87% da população é o islamismo.


Uma obrigação religiosa e cultural, bastante forte no país, é o ensino do corão às crianças, feito por um marabu (líder religioso muçulmano). Por conta disso, muitos meninos – alguns com apenas três anos de idade – são enviados pelos pais para essas escolas, geralmente em outras cidades. Ali permanecem até os 15 anos, com pouco ou nenhum contato com a família. Esses meninos são chamados de talibês (discípulos). Eles passam o dia inteiro na rua, são obrigados a mendigar para o marabu, e sofrem maus-tratos se não conseguem dinheiro e donativos suficientes para seu mestre.


Resposta ao sofrimento do povo
As questões sociais se mesclam às espirituais e formam o cenário onde o Projeto Fábrica de Esperança tem trazido alívio e dignidade para muitas pessoas. É nesse contexto que os missionários brasileiros têm testemunhado da graça do Pai, especialmente às crianças.


Expansão, uma urgência!
O objetivo deste projeto é estar presente na comunidade, oferecendo atendimento médico, odontológico e atividade esportiva. Já funciona com um pequeno centro médico-esportivo onde os missionários atendem crianças e adultos. Porém, a fim de atender às inúmeras necessidades dos senegaleses, a sua expansão é urgente. Por isso, a meta dos missionários e construir uma quadra poliesportiva, um centro médico, academia para reabilitação, um espaço para acolhimento de talibês e um local para cursos profissionalizantes. Assim, o amor vai sendo compartilhado com aqueles que precisam da graça do Pai.


Necessidades da Fábrica de Esperança
• Ampliação do espaço onde atualmente funciona o Projeto, com construção de duas salas para raio-x e fisioterapia.
• Construção de uma quadra poliesportiva, um centro médico com quatro consultórios para atendimentos médicos e odontológicos.
• Construção de salas para: raio-x, enfermagem, fisioterapia, aulas, ateliês de artes, cursos profissionalizantes e um pequeno bloco cirúrgico.
• Uma casa de acolhimento e laboratório de prótese dentária.
• Academia para reabilitação e espaço para trabalho com meninos de rua, com área de lazer.


Ore pelo Projeto Fábrica de Esperança.

Acesse www.jmm.or.br

quarta-feira, 16 de março de 2011

PAIXÃO PELA OBRA MISSIONÁRIA


Por Judiclay Santos

A igreja de Cristo, desde o início, sobretudo nos três primeiros séculos, foi objeto de intensa e cruel perseguição. Mas apesar de sofrer estigmas e ser marginalizada, a igreja cresceu chegando até os confins da terra. Milhões de pessoas confessaram Jesus Cristo como Senhor e Salvador, e o fizeram, conscientes de todos os riscos dessa confissão. O notável historiador da igreja Philip Schaff nos ajuda a entender como se deu esse impressionante crescimento.

“Não havia sociedades missionárias, nem instituições missionárias, nenhum esforço organizado nos três primeiros séculos; e em menos de 300 anos a população toda do império romano, que representava o mundo civilizado, foi nominalmente cristianizada. Cada congregação foi uma sociedade missionária, e cada cristão um missionário inflamado pelo amor de Cristo para converter seu amigo. Cada cristão contou a seu próximo, o trabalhador ao seu companheiro de trabalho, o escravo a seu amigo escravo, o servo a seu mestre e mestra, a história da sua conversão, como um marinheiro conta a história do resgate de um naufrágio”.

Cada cristão via a si mesmo como um missionário. Aqueles irmãos causaram um enorme impacto no mundo pelo fato de levar a sério o mandato missionário: “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura”. (Mc 16.15) Na mentalidade e prática dos primeiros cristãos, a proclamação do evangelho não era opcional ou restrita a alguns. Todos tinham consciência do dever e do privilégio de pregar o evangelho. Esses irmãos atuavam como ministros da nova aliança e embaixadores de Deus no mundo. Mas hoje, qual é a realidade?

A situação hoje é outra, completamente diferente. A falta de zelo e paixão pela obra missionária denuncia a preocupante condição da igreja contemporânea. Como dizia Andrew Murray: “Quando buscamos saber por que, com tantos milhões de cristãos, o verdadeiro exército de Deus que está enfrentando os exércitos da escuridão é tão pequeno, a única resposta é: falta de coração e entusiasmo. O entusiasmo pelo reino de Deus está faltando, porque há tão pouco entusiasmo pelo Rei”.

A paixão pela proclamação do evangelho e o zelo pela glória de Deus andam de mãos dadas. Se quisermos avaliar o nível do nosso amor por Deus devemos levar em consideração nosso envolvimento com a propagação do seu Reino.

sexta-feira, 11 de março de 2011

10 IMAGENS QUE REVELAM A MAGNITUDE DA DESTRUIÇÃO NO JAPÃO

A cidade de Ibaraki alagada após a passagem das ondas do tsunami.



Refinaria em Chiba pegando fogo após o terremoto desta sexta-feira.



A província de Myagi destruída e pegando fogo após o terremoto.



Aeroporto de Sendai com carros e aviões destruídos após o terremoto e o tsunami.


A cidade de Sendai alagada e pegando fogo após a destruição desta sexta-feira.



Imagem de helicóptero da cidade de Sendai destruída após o terremoto e o tsunami.




Casas que foram arrastas e derrubadas com a força das ondas do tsunami.


Outra imagem de helicóptero mostrando a destruição na cidade de Sendai, no Japão.



Imagem da TV japonesa NHK mostra fábrica alagada após ser atingida por tsunami.



Ondas do tsunami atingem a cidade de Iwunuma e destroem casas à beira da praia.

12 RAZÕES PARA SER CONTRA A PORNOGRAFIA


O texto a seguir, de autoria de Jandira S. Pimentel, foi publicado no site Simplicidade Voluntária. Jandira argumenta, de maneira inteligente e irrefutável, que a pornografia desumaniza as pessoas roubando delas o precioso bem da dignidade. Concordo com tudo que ela escreveu e espero que a leitura desse texto possa ajudar àqueles que porventura ainda não tenham levado em consideração os males danosos que a pornografia gera na família e na sociedade.

1. Em primeiro lugar, a pornografia é anti-humana. Pela sua preocupação com os órgãos e funções, a pornografia não se importa com a pessoa em si. Às novelas faltam histórias com conteúdo, as fotografias mostram corpos humanos, muitas vezes sem rosto através do qual se possam identificar. Devido a esta representação sub-humana do indivíduo, a pornografia desumaniza. Apresenta as relações sexuais entre os seres humanos como não tendo maior significado do que a união dos animais. De fato, a pornografia retrata atos sexuais com animais como se eles fossem apenas uma outra variante da experiência humana.

2. A pornografia é contra a mulher. A clara degradação e humilhação das mulheres são os temas centrais das novelas e fotografias. Na pornografia menos violenta o abuso é menos óbvio, mas ainda assim está presente, uma vez que as mulheres são tratadas como objetos sexuais, criaturas disponíveis para serem olhadas de revés, usadas e abusadas e depois substituídas por outras.

3. Paradoxalmente, a pornografia é contra o sexo. Rejeitar a pornografia é tomar posição pelo sexo como uma forma particular de expressão e aprofundamento de um compromisso interpessoal. A pornografia falha em não entender o sexo como um dom sagrado destinado a produzir alegria, intimidade e profunda plenitude numa relação de amor duradoura. Em vez disso, a pornografia faz um espectáculo público daquilo que deviam ser atos íntimos. 

Aproveita aquilo que devia ser profundamente pessoal explorando-o comercialmente e desta forma negando a dignidade e espiritualidade do sexo. Ela inclusivamente destrói qualquer ideia do sexo como sendo fonte de alegria em relações fortes e seguras. As análises psicológicas que têm sido feitas acerca da filosofia inerente às revistas do tipo “playboy”, têm enfatizado que a preocupação dessas revistas com os aspectos físicos da sexualidade deriva, não da satisfação ou prazer mas de tentativas de compensar medos inconstantes de verdadeiro encontro sexual. Tudo é mantido ao nível superficial e fácil: ideias de compromisso ou de casamento são evitadas ou deliberadamente ridicularizadas. Não é surpreendente, portanto, que as análises feitas recentemente sobre o conteúdo desse tipo de revistas tenham mostrado que aumentou o uso de temas violentos.

4. A pornografia é contra as crianças. Cria um ambiente que é prejudicial tanto ao desenvolvimento psicológico como moral das crianças. Promove a sexualidade de todas as relações, de tal forma que se tornou quase impossível os adultos encontrarem-se, as pessoas que utilizam os transportes públicos viajarem ou as mulheres saírem de casa sozinhas, sem a situação ser vista como uma oportunidade para uma relação sexual. As crianças estão desenvolvendo a sua visão do mundo adulto neste contexto. Uma grande parte da educação sexual está tentando mentalizá-las desde os primeiros anos de vida para uma aceitação amoral da promiscuidade. Elas são bombardeadas com imagens de sexualidade adulta muito antes de estarem emocionalmente preparadas para isso. 

Muito pior ainda, um grande número é explorado duma forma mais brutal como modelos e prostitutas, como vítimas de incesto e ataques por parte de violadores de crianças. Ninguém apresentou evidências de que algum destes riscos tenha diminuído desde que a pornografia abertamente começou a promover estas ideias. O mundo ocidental não tinha visto tal violência deliberada desde os dias da Revolução Industrial, quando as crianças foram fisicamente maltratadas nas minas e nas fábricas. Denuncie todos os casos que souber de abusos contra crianças. Na Internet proliferam inúmeros sites de pedofilia. Denuncie. Protejamos nossas crianças, tão pequenas e já desrespeitadas, destituídas de sua dignidade de filhos e filhas de Deus, visto por olhos depravados como objetos de prazer doentio e pecaminoso.

5. A pornografia, pela sua influência nos costumes e convenções, é anti-social. Os defensores da pornografia irão argumentar que a decisão de ler ou ver é individual e não diz respeito a mais ninguém. Contudo, todas as indicações mostram que o uso da pornografia tem repercussões sociais. As provas acumulam-se cada vez mais no que diz respeito a indivíduos cujo comportamento anti-social (incluindo crimes sexuais e crimes violentos) foi impulsionado pela pornografia. Poucos negarão que tem havido um crescimento no que respeita à incidência de crimes sexuais nos últimos anos. O resultado é trágico não só para as vítimas mas também para a sociedade, uma vez que esta é afetada pelo medo e pela suspeita. O fácil acesso à pornografia é um fator importante na corrupção da sociedade.

6. A pornografia é contra as relações humanas saudáveis, e portanto contra a família. Devido à sua obsessão com a função sexual, a pornografia evita qualquer reconhecimento do valor das relações familiares. O casamento é ridicularizado, a promiscuidade é promovida, as relações homossexuais valorizadas e o sexo em grupo aprovado.

7. A pornografia é contra o ambiente. É paradoxal e ilógico ficar-se zangado(a) com a poluição do ambiente natural e permanecer indiferente perante as exibições indecentes, extravagantes, obscenas e perturbadoras da pornografia. nas mostras, fora dos cinemas e nos anúncios diários dos jornais. Reconhecemos os perigos do mercúrio na nossa água, dos fertilizantes na nossa comida e do fumo no ar que respiramos. Não deveremos nós estar igualmente preocupados com a poluição visual que assalta qualquer pessoa que passeia pelas ruas das cidades? É apenas porque os efeitos demoram tanto tempo a revelar-se, que as pessoas levam muito tempo até compreenderem totalmente os perigos dos gases dos carros e do fumo dos cigarros. Experiências científicas já provaram conclusivamente estes perigos. Então, também nós, muito antes da evidência demonstrar todos os efeitos negativos, podemos desde já ser sensíveis à poluição pornográfica que se está a alargar e que ameaça destruir a consciência e corromper o comportamento. E já a prova está começando a aparecer. Devemos esperar pela prova final dos cientistas, ou devemos falar abertamente dos perigos da imoralidade? 

Em muitos lugares, o fácil acesso à pornografia depende da suposição de que os padrões da comunidade mudaram, e que, portanto, os cidadãos maduros e sensatos agora aceitam a presença da pornografia. Não há, na realidade, nenhuma prova que apoie esta suposição (inquéritos feitos à opinião pública invariavelmente indicam um desejo de um controle mais rigoroso). Mas, enquanto os cidadãos responsáveis se mantiverem silenciosos, certamente que a aparência de mudança está lá. Enquanto a minoria agressiva grita para que as restrições sejam retiradas e a voz das pessoas decentes permanece silenciosa, os políticos e legisladores podem ser perdoados por acreditarem que houve uma mudança. Por outro lado, provavelmente houve uma mudança nas atitudes de muitas pessoas. 

Essa é uma das consequências insidiosas da poluição do ambiente. Todos nós experimentamos uma mudança no que diz respeito à tolerância, pois o que era inaceitável há dez anos atrás, hoje torna-se normal. Devemos reparar nisto e examinar até que ponto os padrões foram alterados sutilmente, mas de modo significativo, no sentido descendente.

8. A pornografia é contra a comunidade. Uma nova indústria multimilionária desenvolveu-se para suprir a insaciável procura da pornografia. Mas, porque ela dá largas à fraqueza humana explorando autores, modelos, editores, revendedores e clientes, ela caiu em grande escala nas mãos do crime organizado. Através duma íntima associação com a droga e a prostituição, uma sub-cultura criminosa começou a florescer. Inevitavelmente, o suborno dos agentes responsáveis pelo cumprimento das leis, a corrupção das mais altas instâncias e a violência exercida contra aqueles que discordam tornaram-se normais onde quer que a pornografia prevaleça. 

A remoção de sanções criminais contra a pornografia não ajudou, como muitos advogavam. Apenas permitiu à sub-cultura criminosa monopolizar mais facilmente o mercado, mantendo uma enorme margem de lucro com pequeno risco. As esperanças brilhantes de que as pessoas perderiam o interesse e comportar-se-iam de forma responsável se não fossem constrangidas pela lei, assentam na filosofia humanista que proclama a bondade do homem e nega as fraquezas da natureza humana. A visão bíblica do homem como pecador dificilmente poderá ser mais dramaticamente confirmada do que pelo aumento da corrupção que se seguiu à retirada das
restrições legais.

9. A pornografia é contra a cultura. Muita discussão tem surgido acerca da afirmação, feita pelos seus defensores, de que a pornografia merece a mesma proteção que a melhor arte e literatura. Uma das características da arte é que ela enobrece e enriquece. As formas que a pornografia toma degradam e destroem. Certamente haverá ocasiões em que o significado de uma obra particular, isto é, o seu possível mérito cultural, será disputado. Mas a matéria classificada como pornografia não tem essas pretensões. Uma das objeções mais fortes à pornografia é que ela não só apresenta uma visão distorcida e falsa do mundo, mas também, pela sua presença, exclui outras visões mais enriquecedoras. Como as células cancerosas se multiplicam e atingem as células saudáveis, assim a arte e a literatura são atacadas pela pornografia. Os proprietários dos teatros dizem que é difícil pôr em cena espetáculos devido à concorrência por parte dos filmes obscenos. 

Os romances poderão ser rejeitados pelas editoras, a não ser que tenham um certo número de passagens imorais. O teatro “Radio City Hall” em Nova Iorque, por exemplo, afirma que teve de interromper o seu programa recreativo após vinte anos devido a pressões feitas por centros de pornografia na vizinhança. O Jardim do Tivoli em Copenhagem e o tradicional e excelente teatro e música desta cidade perderam a sua hegemonia a partir do momento em que os espectáculos sexuais e as lojas de pornografia se tornaram a maior atração dos turistas. A promessa de que a retirada das restrições legais levaria a um eclodir de cultura não se cumpriu. De fato, os homens da cultura lastimam o presente empobrecimento. Há poucas dúvidas de que a alargada disseminação da pornografia afasta a verdadeira cultura, assim como o dinheiro falsificado afasta a verdadeira moeda.

10. A pornografia é contra a consciência. É pela consciência que nos tornamos conhecedores da lei moral e distinguimos o bem do mal, o certo do errado. Assim como pela constante exposição da violência nos meios de comunicação as pessoas perdem a sensibilidade à violência real, assim a nossa consciência pode ser adormecida pela pornografia que se infiltra. Nós começamos por aceitar a ideia de que as pessoas podem ser usadas como objetos e que o sexo poderá ser usado indiscriminadamente. 

Quando deixamos de nos preocupar com o abuso da sexualidade, estamos perdendo o cuidado por uma parte essencial da natureza humana. Se estamos satisfeitos com a nossa integridade pessoal e falhamos na preocupação pelo impacto social da pornografia, podemos rapidamente deixar de nos preocupar com outros problemas sociais também — injustiça e pobreza, por exemplo.

11. A pornografia é contra Deus. Opõe-se completamente aos ensinos de Jesus Cristo acerca da pureza e do amor. Os seus ensinos libertam os homens e as mulheres da escravidão do apetite sexual desordenado. A pornografia, em nome da libertação, escraviza o ser humano por uma obsessiva preocupação com a sensualidade. Além disso, ela deliberadamente ataca o que é sagrado para a fé cristã. A violação de freiras, perversões praticadas por sacerdotes e o uso das igrejas para orgias são temas favoritos. A própria pessoa de Jesus Cristo é profanada pela obscenidade e blasfemia com o objetivo de ridicularizar a fé cristã. O ódio e a cólera dirigida contra as mulheres em tanta pornografia é também descarregada sobre o próprio Deus.

12. Podemos dizer em resumo que a pornografia é contra a vida. Rejeitar a pornografia não é ser negativo em relação à vida. Pelo contrário, é a pornografia em si mesma que é niilista, reducionista e destrutiva. É uma influência negativa na sociedade e nas relações pessoais. É positivo, portanto, contrariar ativamente esta força. Nós não precisamos pedir desculpas quando proclamamos amor, não lascívia, e quando rejeitamos tudo o que não é o melhor para o homem e mulher feitos à imagem de Deus.

terça-feira, 8 de março de 2011

EXISTEM PECADOS MAIORES OU MENORES?

Já li algumas obras de R. C. Sproul. Confesso que tenho aprendido muito com ele. Trata-se de um dos grandes teólogos reformados. Recentemente, nos EUA, pude ouvi-lo pregando e foi muito bom. Sua exposição em Romanos 1 foi inesquecível.

Encorajo você a conhecer a obra de Sproul. Leia os seus livros e certamente você irá crescer bastante.

O vídeo abaixo, editado por Josemar Bessa, (cujo trabalho admiro muito) é uma amostra de como podemos aprender com esse notável servo de Deus. Nesse curto e instrutivo vídeo, Sproul busca responder a seguinte pergunta: EXISTEM PECADOS MAIORES OU MENORES?



domingo, 6 de março de 2011

SUIÇA DIZ NÃO AO DESARMAMENTO EM PLEBISCITO HISTÓRICO

A pacata e civilizada Suíça é o hoje um dos países mais armados do mundo, rivalizando talvez com os EUA, e no que depender de sua população continuará assim por muito tempo.

Com quase 60% dos votos, as propostas de restrições à posse de armas na Suíça foi rejeitada pela população em plebiscito realizado neste domingo que guardou impressionante semelhança ao referendo brasileiro de 2005.

Lançada em 2006, por uma ampla coalizão de ONGs, sindicatos, pacifistas e partidos de centro-esquerda a iniciativa pretendia introduzir regras extremamente rigorosas para a posse de armas e um cadastro nacional e centralizado para todas armas de fogo.

Mas essa ideia de registro nacional já havia sido recusada pelo governo e pelo Parlamento, em especial devido ao seu custo. Somado a isso está também o receio de que o cadastro seja usado para outros fins que não apenas o controle.

Cartazes espalhados por toda a Suíça, debates públicos calorosos, brigas sobre estatísticas controversas e uma enxurrada de cartas de leitores aos jornais, marcaram o período que antecedeu o plebiscito.

Para Bene Barbosa, presidente da ONG Movimento Viva Brasil e um dos coordenadores da campanha do “NÃO” no referendo de 2005 a semelhança entre os processos e o resultado no Brasil não causam espanto: “Somos países diferentes, com culturas diferentes, mas a necessidade de defesa é universal. É um direito natural de todo ser humano. É absurda a ideia que uma minoria pode tirar isso de todos.”

Mas as semelhanças não param por aqui, em período anterior ao referendo as pesquisas apresentadas pelas ONGs pró-desarmamento apontavam para uma vitória folgada pelas restrições. Tal qual aconteceu no Brasil, o resultado foi exatamente oposto.

“Há uma grande diferença entre opinião popular e opinião publicada. Fato explicado bem pela teoria da Espiral do Silêncio, onde um indivíduo se priva de tomar uma posição achando que o seu grupo de convivência tem opinião dominante oposta.” Explica Barbosa.

De acordo com analistas suíços esse foi mais um duríssimo golpe nos militantes pró-desarmamento de todo o mundo nos últimos anos. O primeiro foi a derrota no referendo brasileiro de 2005, mas não demonstram vontade de parar. Aguardemos então qual será o país escolhido para o próximo embate.


Veículo: Agência Viva Brasil / Veiculação: On-line
link do veículo:
www.movimentovivabrasil.com.br

sábado, 5 de março de 2011

O genocídio dos negros norte-americanos

Em Nova York, uma propaganda de um grupo pró-vida vem causando desconforto, para dizer o mínimo, entre abortistas e assemelhados daquela cidade.

O cartaz, exposto na região do SoHo, um reduto de artistas e gente prafrentex, é o que está aí ao lado. O pessoal do SoHo, que não vê nada de mais em obras como "Piss Christ", está esperneando por causa do cartaz, que só diz uma verdade que vai sendo cada vez mais por todos conhecida: a população negra norte-americana é a que mais está sendo dizimada pelo aborto.

Também pudera, a feminista Margaret Sanger, uma das fundadoras da Planned Parenthood, a maior cadeia de matadouros de criancinhas dos EUA, ficou conhecida por seu apoio às práticas eugênicas e por ligações com grupos racistas. Ligação tão forte que a senhora Sanger foi convidada a discursar em um comício da Klu Klux Klan, aqueles palhaços racistas que gostam de se esconder sob capuzes.

Mas o que incomoda mesmo os dândis do Soho é que o cartaz traga verdades. Apesar de os negros serem 13% da população norte-americana, 1/3 dos abortos daquele país são feitos entre as pessoas desta raça. No geral, na cidade de Nova York, 6 de cada 10 gravidezes de mulheres negras norte-americanas terminam em abortos provocados.

A Planned Parenthood, provavelmente honrando o nome de sua fundadora, prefere abrir seus matadouros exatamente em locais de população de baixa renda e junto à minorias raciais. A oportunidade é tudo em certos negócios, não?

Por tudo isto, o que vai no cartaz é a mais pura verdade. Os esquerdistas de lá podem espernear, bater o pezinho e tirar as calças pela cabeça que isto não mudará a realidade que eles tentam esconder: para um negro norte-americano é realmente o útero o lugar mais perigoso por lá. Em Nova York, de cada 10, apenas 4 saem com vida.

FONTE: http://contra-o-aborto.blogspot.com/

quinta-feira, 3 de março de 2011

ADULTÉRIO SEGUIDO DE MORTE

Por Judiclay Santos

ADULTÉRIO SEGUIDO DE MORTE

O adultério é uma das maiores desgraças da sociedade. Dados confiáveis indicam a crescente onda de infidelidade entre os casais. Muitos lares têm sido destruídos pelo adultério, trazendo sofrimento para os cônjuges e principalmente para os filhos. Não obstante a isso, o adultério e outras práticas sexuais moralmente reprováveis, tem se tornado comum em nossa sociedade, sendo até incentivada pelos meios de comunicação subjugados pelo relativismo moral. Existe uma grave tolerância e um absurdo incentivo a um dos pecados mais graves e de conseqüências mais danosas para família e, conseqüentemente, para a sociedade.

O ASSASSINATO DA MENINA LAVÍNIA.

Luciene Reis, confessou na noite desta quarta-feira (2) ter matado a menina, confirmou o delegado Robson Costa, da 60ª DP (Campos Elíseos), ao RJTV. A criança, de 6 anos, foi encontrada morta no quarto de um hotel, nesta quarta, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, depois de dois dias desaparecida.

Segundo a polícia, o corpo foi achado por uma camareira do hotel, embaixo da cama, de bruços, enrolada numa toalha e com o cordão do tênis enroscado no pescoço. Um crime chocante e brutalmente cruel e perverso.

O agravante nesse processo abominável e trágico é que Luciene era amante do pai de Lavínia. O pai vivia em adultério com aquela que mataria sua própria filha de seis anos de idade. Creio que esse rapaz, o Rony, jamais imaginaria que sua “aventura sexual” traria tanta dor e tristeza a ele e toda sua família.

Sob o ponto de vista legal, jurídico-criminal, esse caso está sendo denominado de seqüestro seguido de morte, mas do ponto de vista teológico, há outro elemento presente, embora sua gravidade seja ignorada.
O delegado que cuida do caso diz que "a ganância foi o principal motivo", tendo em vista que o pai da criança assassinada tinha R$ 2 mil guardados que teriam sido objeto da ganância de Luciene. É certo que esse pode ter sido um elemento nesse caso horroroso, mas a morte trágica dessa criança tem como causa primária o pecado do adultério. A tragédia é que as mesmas pessoas que ficam indignadas com o assassinato de uma indefesa criança (o que é correto e esperado) toleram tranqüilamente o adultério, como se fosse um direito humano ou no máximo, uma fraqueza humana.

O Estado já prendeu a Luciene e ela vai responder pelos crimes que cometeu. Já o pai da menina não pode ser enquadrado em nenhum artigo do código penal brasileiro. Ele tem sido visto como vítima de sua amante ensandecida. Mas existe uma Lei moral e absoluta, válida para toda humanidade, estabelecida pelo Deus Eterno, o Criador.

Está escrito:
NÃO MATARÁS. Êxodo 20.13
O mandamento é claro e uma exigência do Criador. No entanto, a cada hora são assassinadas 60 pessoas no mundo. Infelizmente, a pequena Lavínia foi vítima da transgressão dessa Lei, que Deus estabeleceu para preservar a humanidade.

NÃO ADULTERARÁS. Êxodo 20.14
O adultério é um pecado grave por sua natureza e conseqüência. A Bíblia afirma que o adúltero é um insano que pratica um ato que irá, cedo ou tarde, destruí-lo. “O que adultera com uma mulher está fora de si; só mesmo quem quer arruinar-se é que pratica tal coisa. Achará açoites e infâmia, e o seu opróbrio nunca se apagará”. Provérbios 6.32-33

Adultério é uma das palavras mais vis e abomináveis que existem. Sua simples pronúncia deveria carregar qualquer ambiente e o tornar sombrio, dada a sua inerente vileza. Sabe por quê? O adultério embora seja um pecado perdoável, suas conseqüências deixam um rastro de destruição não apenas sobre o adúltero, mas sobre os que estão a sua volta.

Tomas Watson, em um poderoso sermão pregado no dia 15 de outubro de 1656, exortou a sua congregação com as seguintes palavras: “O pecado do adultério é uma maldição sobre a alma. O adúltero, como a mariposa, voa tanto tempo ao redor da vela que por fim chamusca sua alma. Este pecado, embora comece comicamente, termina em tragédia. Esta doce calma precede um terremoto. Depois dos cabelos da mulher vem os dentes do leão.”

O caso da Lavínia pode ser denominado de ADULTÉRIO SEGUIDO DE MORTE.

terça-feira, 1 de março de 2011

LEONARDO GONÇALVES

SONS DA COLINA. VALE APENA PARTICIPAR!


Caros leitores e prezados amigos.
Gostaria de convidá-los para para participar de um evento muito especial. No dia 12 de março, na Capela do Seminário Batista do Sul do Brasil, teremos a oportunidade de ouvir um músico de alta qualidade. Trata-se de Leonardo Gonçalves, cujo trabalho é bastante conhecido, mas não o suficiente. Precisamos divulgar o trabalho de músicos sérios e excelentes como Leonardo. Tenho certeza que vocês gostaram muito.
Segue abaixo um vídeo que contém uma de suas belas músicas.
Um forte abraço. Judiclay


video